Segunda-Feira, 19 de Abril Paraguaçu Paulista 27ºC - 21ºC veja mais

Brasileiro de 66 anos toma vacina contra Covid nos EUA por drive-thru e comemora

04/01/2021 - João Marcos, de Bauru (SP), mora em Orlando, na Flórida, há dois anos


Brasileiro de 66 anos toma vacina contra Covid nos EUA por drive-thru e comemora

Há dois anos nos Estados Unidos, o brasileiro João Marcos Martins Ferraz Silveira, de 66 anos, foi um dos moradores contemplados pela vacina da Covid-19. Natural de Bauru, no interior de São Paulo, o aposentado fez um agendamento para se imunizar e tomou a primeira dose ainda em 2020.

João Marcos contou que mora em Orlando, na Flórida. Ele e a esposa se mudaram de país para estudar a língua inglesa e ajudar o genro a administrar uma igreja.

No início da semana, João rcebeu a notícia de que poderia fazer um agendamento para tomar a primeira dose da vacina, já que tem mais de 65 anos. Antes disso, ele contou que profissionais de saúde e idosos de casas de repouso já estavam sendo imunizados.

"Eu peguei essa segunda fase que foi aberta a partir de segunda-feira (28), dos idosos. Me cadastrei no site, respondi muitas perguntas que eles fazem, isentando os fabricantes e todo mundo de quaisquer problemas, mas aí já fiz o cadastro e agendei para o dia seguinte", lembra João Marcos.

O bauruense tomou a vacina da Moderna, que foi aprovada nos EUA no dia 19 de dezembro e a distribuição das doses foi no dia seguinte. Antes dela, o imunizante da farmacêutica Pfizer já tinha sido aprovada no dia 13 e começou a ser aplicada no dia 14 no país.

Vacina drive-thru

No último dia 29, João Marcos foi de carro até um centro de convenções da cidade e aguardou cerca de quatro horas para receber a dose, por sistema drive-thru. A esposa dele, Miriam Silveira, ainda espera seu aniversário de 65 anos, no próximo dia 19, para também se vacinar.

"Eu abri a porta do carro, respondi mais algumas perguntas, se estava com febre, se tinha alguma coisa, tudo normal, aí o enfermeiro veio, aplicou a vacina e pediram para ficar no outro estacionamento por pelo menos 15 minutos para ver se tinha reação", explica o bauruense.

Segundo João Marcos, a entrada e saída dos carros do centro de convenções eram controladas pelos funcionários através da placa, assim como os horários agendados e carteirinhas de vacinação. Carros de polícia e ambulâncias também estavam presentes no local.

"Já tenho o agendamento para o dia 26 de janeiro para a segunda dose. Não tive nenhuma reação adversa, nada, nada. Estou me sentindo o mesmo João Marcos", brinca o brasileiro.

João Marcos e Miriam, de Bauru (SP), moram nos EUA há dois anos — Foto: Arquivo pessoal/João Marcos Silveira

 

O bauruense também comentou que as vacinas têm sido muito procuradas em Orlando. Neste sábado (2), por exemplo, João Marcos explicou que o agendamento no site estava fechado porque 42 mil idosos já tinham se cadastrado.

Segundo o brasileiro, lojas e restaurantes estão funcionando na cidade, assim como os parques de diversões de Orlando. No entanto, tudo está sendo feito com uso de máscaras, álcool em gel e limite de pessoas.

Mesmo com a vacina, João Marcos destacou que não vai ignorar os outros cuidados de prevenção à doença, nem visitar a família no Brasil, o que costumava fazer duas ou três vezes no ano antes da pandemia.

"Não vou poder liberar geral não. O pessoal comenta que é 70% de imunização, então eu vou continuar usando máscara normalmente, lavando as mãos, passando álcool em gel sem problema nenhum, isso é só um reforço de segurança", afirma o brasileiro.

 

Vacina da Moderna

Caixas com a vacina da Moderna são preparadas para envio em um centro de distribuição no Mississippi — Foto: Paul Sancya, Pool/AP

 

As doses da vacina da Moderna contra a Covid-19 começaram a ser distribuídas nos Estados Unidos no último dia 20. A vacina foi autorizada para aplicação na população no dia anterior pelo Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) americano.

De acordo com o conselho do Comitê Consultivo em Práticas de Imunização, a prioridade foi para profissionais de saúde e residentes de lares de longa permanência. Em seguida, o comitê se reuniria para decidir quem receberia as próximas doses disponíveis.

Tanto a vacina da Pfizer como a da Moderna usam a tecnologia de mRNA (veja vídeo abaixo) para induzir a resposta imune do corpo. Ambas precisam ser mantidas em temperaturas muito baixas: a da Moderna, a -20ºC, e a da Pfizer, a -70ºC. O fator é apontado como um problema por especialistas.

No último dia de 2020, autoridades americanas reconheceram que a vacinação contra a Covid-19 nos Estados Unidos enfrenta atrasos e que o país não atingiu a meta de vacinar 20 milhões de pessoas em dezembro.

 

G1



MAIS NOTÍCIAS

Apenas 12% da população de Paraguaçu Paulista foi vacinada contra a Covid-19

No ranking da vacinação no estado, cidade consta na posição 437º, com pouco mais de 5.500 imunizados

Idosos de 65 e 66 anos recebem a vacina contra Covid nesta terça em Paraguaçu

Primeira dose da vacina nesse público ocorrerá por meio do sistema Drive Thru, das 8h às 12h.

Programa Cidade Limpa não é eficaz para o combate a dengue em Paraguaçu, segundo a Prefeitura

Vigilância em Saúde quer instituir uma educação permanente na população

Vereadores se reúnem nesta segunda-feira, 19 de abril

Sessão Ordinária continua ocorrendo mais cedo, às 17h, e sem a presença de público.

Missas presenciais são retomadas com público reduzido em Paraguaçu Paulista

Celebrações estão sendo retomadas presencialmente em todas as igrejas católicas da cidade.

Prefeitura cria Plantão Social em Roseta e Conceição

Os locais já foram definidos e devem ser ativados assim que os trabalhos retornarem à normalidade.

Poupatempo retoma atendimento presencial a partir de 24 de abril

A medida faz parte das iniciativas da Fase de Transição do Plano São Paulo.

Pacientes deixam de realizar procedimentos durante a pandemia

Com o aumento da pandemia de coronavírus a procura por exames de mamografia caiu.

ANUNCIE DIVULGUE